domingo, 1 de março de 2009

Diário de uma Emigrante... ou nem por isso.

Ir a Londres como turista não tem absolutamente nada a ver quando se vai com algum propósito. As últimas duas vezes não fui, desgraçadamente, como visitante. E assim, meus meninos, digo-vos já, que é uma merda ir.
Quando vamos de turistas, se perdemos a linha encarnada no metro, não faz mal, apanhamos a amarela para depois mudar para a verde. Desta vez foi uma enervação. Era correr e tentar furar aquela massa compacta de gente, saltar para dentro da carruagem mesmo a tempo de não ficar com a cabeça entalada nas portas. Depois temos de mudar para a outra linha, lutar para não nos colocarem a mão na carteira, equilibrar uns 6 kgs de livros e legislação nos braços, fazer a ginástica matinal para passar com tudo o que carregamos nas maquinetas horriveis que fazem controle, vigiar se temos dinheiro no oyster. Sair na saída certa também não é assunto de pouca importância, porque a escolha errada pode impicar uma longa caminhada a pé. E sempre aquele mar de gente, sempre o sorry e cheers na boca, enquanto se vai driblando tudo e todos.
Quando cheguei à faculdade não foi de admirar que o porteiro me perguntasse, todos os santos dias, "are you alright love?"... Porque em Londres, geralmente, está fresquinho. Mas o que toda a gente se esquece de mencionar e que em todos os edificios estão à vontadinha uns 24º. E uma pessoa fica encarnada como um tomate, sopra enquanto tenta manter a franja descolada da testa. Lá fora é a Áustria, lá dentro é o Hawai.
O Paper 1 correu-me geralmente bem. Sou a Rainha da Oil and Chemical Pollution! O Paper 2 foi francamente mau. Também, ao fim de 5 horas de exame, a minha cabeça estava feita num pudim e o meu pulso estava aberto devido a uma lesão antiga. Lesão antiga, perguntam vocês? Que tremendamente interessante, certo? Não, nem por isso. Tenho o pulso irremediavelmente aberto devido a ter tentado aparar muitos bate-cús enquanto andava na patinagem (i knowwwww, sooooo lame!) e depois, a gota final, foi a queda de uns saltos bem maiores do que o meu juízo. Sexta foi um dia para esquecer mesmo.
Eu sei que tinha prometido fotos. Mas não consegui. Não tive paciência e sempre que tinha tempo só queria dormir.
Valeu toda a quantidade de pato que comi. Valeu rever dois espetáculos (ainda que um dos lugares que me calhou tenha sido terrivel, o que me fez perder metade). Valeram as pessoas... Gosto, mesmo, de bifes. É gente sem peneiras, eficiente, educada e prestável (bêbados que nem uns cachos, barulhentos, irasciveis também).
Mas andar sozinha é um desespero. Chega a ser opressivo. Mas pronto, uma pessoa lá vai, ou de café na mão ou a comer o pato enquanto anda para o hotel (fecha tudo estupidamente cedo). De tanto que andei, já não tenho pés. Tenho massa para brioches no final das pernas, parece-me.



Quando cheguei ao aeroporto fiquei feliz por ter voltado, a sério. É sempre bom ter pessoas a grunhirem (quando grunhem!! Muitas vezes nem há resposta.) enquanto entregamos o passaporte. Ter de lutar por um lugar na casa de banho, na sala da recolha de bagagens. Olhar para as pessoas e ter a sensação de que ninguém lhes paga faz muitos meses, porque só isso pode justificar aquelas carantonhas. Portugal é muito bom. O pior mesmo são os portugueses. Miss me much?!






Não sei o que se passa, mas venho sempre um bocado atacada do fígado quando venho de Londres. Já na outra vez vim um bocado azeda! Deve ser de todo aquele café desenxabido que servem por lá. Isso e o cheiro a fritos o dia inteiro.

7 comentários:

paperdoll disse...

também vou ter que estar lá muitas vezes e muito tempo como não-visitante. mas esse post assustou-me! não me faças ficar com uma ideia tão má, eu tenho que gostar daquilo, não há outra hipótese! lol

Sereia disse...

Welcome back!

Moi même, prontoS! disse...

Bem... a isso chama-se "whooo... I'm an alien... I'm a legal alien... I'm a portuguese woman in London!" (pois eu sei, cantarolar esta é bem mais difícil que o original!)

Agora, quanto aos problema de fígado eu aposto mais no cheiro a fritos... é que salsicha, bacon, feijões, etc. não cai bem a ninguém... nem mesmo o cheiro!

Fica bem... "home sweet home"! (e daí talvez não!)

Ruca! disse...

tu abriste o pulso de tanto escrever?
ahahaha que forte.

londres é tipo algés mas maior.

cheers, aquele bar.

Leila* disse...

Bolas não dei por ti a chamar-me :D Também tu achaste que a noite foi um 'fiasco'?? Chicks on speed no seu pior. Valeu pelos who made who e pela companhia.

Welcome back!!!**

Pulha Garcia disse...

Como te compreendo...as últimas 4 vezes que fui a Londres nem sequer levei máquina fotográfica...além de que entro nos supermercados e, quais Pingo Doce, vou logo aos corredores que me interessam...

R.L. disse...

algés? q comparação foi essa?
ouve la andas a tirar o que? :)
é amoreco é, pena é n querer filhos, so joaninhas!