quinta-feira, 23 de julho de 2009

E Entre Alfornelos e a Pontinha, descobri isto.

"Foi quando comecei a atraiçoá-la.


Não que tivesse revelado os seus segredos ou a tivesse comprometido. Não contei nada que devesse ter calado. Pelo contrário, calei o que deveria ter contado. Soneguei a Hanna. Sei que sonegar é uma variação discreta da traição. Por fora, não é possivel ver se se está a sonegar alguém, ou apenas a usar a discrição, a ser respeitador, a evitar situações deliacadas e aborrecimentos. Mas aquele que sonega sabe muito bem o que está a fazer. E do mesmo modo, o sonegar é tão grave numa relação como outras formas mais espectaculares de traição."








O Leitor, Bernhard Schlink.












4 comentários:

lastminutedreams disse...

adorei esse filme! mesmo! *

a estagiária disse...

Não vi o filme nem li o livro... mas fiquei curiosa agora...

crème fraîche disse...

Larga os livros e deixa-te de andar de metro mas é, e voltaaaaaaaa!





<3

Helena de Troia disse...

Amei, amei, amei.